Cirurgia Fetal endoscópica ou fetoscopia: como é realizada e em quais casos é indicada

Cirurgia Fetal endoscópica ou fetoscopia

A Cirurgia Fetal endoscópica ou fetoscopia é uma técnica cirúrgica minimamente invasiva, que utiliza um endoscópio de fibra óptica, conhecido como fetoscópio. Este instrumento pode ser utilizado tanto para avaliar, quanto para tratar o feto, ainda durante o período gestacional.

É importante para o diagnóstico precoce e tratamento de problemas congênitos complexos, que podem resultar em complicações durante o parto e desafios por toda a vida. Assim, é um instrumento muito importante para a Medicina Fetal. 

Com o diagnóstico precoce, realizado durante o pré-natal, diversas malformações congênitas podem ser corrigidas, ou amenizadas, pela cirurgia fetal endoscópica ou fetoscopia

Exemplos de casos reais incluem Hérnia Diafragmática Congênita, Mielomeningocele, Síndrome da transfusão feto-fetal, Anemia fetal e malformações cardíacas.

Como é feita a Cirurgia Fetal endoscópica ou fetoscopia?

Com a evolução das técnicas cirúrgicas e a comprovação dos benefícios proporcionados pela Cirurgia Fetal endoscópica ou fetoscopia, esse instrumento tem sido cada vez mais utilizado. 

Inicialmente, seu uso era restrito para a realização de exames, como a coleta de sangue fetal. Mas alguns dos novos procedimentos intrauterinos também estão sendo realizados com o fetoscópio. 

O instrumento é guiado por ultrassonografia em tempo real, e permite o acesso ao feto pelo abdome materno.

A Cirurgia Fetal endoscópica ou fetoscopia é realizada em ambiente hospitalar e prevê a administração de anestesia local na mãe, e geral no feto. O tempo de cirurgia e a recuperação dependem do tipo de procedimento que será realizado.

Em quais casos a Cirurgia Fetal endoscópica ou fetoscopia é indicada?

Os procedimentos podem ser realizados para a correção das malformações, ou para impedir a progressão de doenças. Confira alguns exemplos:

  • Síndrome da transfusão feto-fetal: 

Essa síndrome pode ocorrer em gestações gemelares, quando os fetos dividem a mesma placenta. A Cirurgia Fetal endoscópica ou fetoscopiaa é realizada em um procedimento conhecido como Ablação de anastomoses placentárias

Ele prevê a punção percutânea, a introdução do fetoscópio e fibras de laser, utilizadas para cauterizar as anastomoses vasculares. Nos casos mais graves, em que o tratamento não é acontece, o problema pode levar os dois fetos ao óbito.

 

  • Hérnia diafragmática congênita: 

Uma malformação no diafragma que provoca o deslocamento dos órgãos do abdômen para a caixa torácica. Assim, o espaço para o desenvolvimento do pulmão se torna limitado, resultando em uma condição chamada hipoplasia pulmonar, que pode ser fatal. 

A Cirurgia Fetal endoscópica ou fetoscopia prevê a Oclusão traqueal fetal para expandir o pulmão comprimido. Com o auxílio do fetoscópio, um microcateter é acoplado a um balão vazio e inserido dentro da árvore traqueobrônquica. 

O balão é então insuflado e destacado do microcateter, promovendo a oclusão da traqueia, estimulando, dessa forma, o desenvolvimento pulmonar. A reparação é feita nos pós-natal.

 

  • Anemia fetal: 

A Anemia fetal resulta de uma condição conhecida como eritroblastose fetal, causada geralmente quando há falta de compatibilidade do fator RH entre a mãe e o feto. 

Pela Cirurgia Fetal endoscópica ou fetoscopia, é realizada a transfusão sanguínea intrauterina. O procedimento é feito pelo cordão umbilical, com a infusão do volume de sangue necessário para aumentar o nível de hemoglobina. É indicado quando há anemia fetal moderada ou grave. 

 

  • Mielomeningocele: 

Também chamada espinha bífida, é uma malformação congênita da coluna vertebral, que não se fecha totalmente até o nascimento. Assim, acarreta no contato da medula espinhal com o líquido amniótico. 

Bebês com esta anomalia podem desenvolver hidrocefalia, perder a capacidade de andar, entre outros desafios. 

A Cirurgia Fetal endoscópica ou fetoscopia possibilita que o defeito seja corrigido diretamente no feto. No entanto, somente pode ser realizada entre a 20ª e a 27ª semana de gravidez.

 

  • Problemas cardíacos:

A Cirurgia Fetal endoscópica ou fetoscopia é importante para dois procedimentos intrauterinos que podem evitar insuficiência cardíaca ou a morte fetal:

– Valvoplastia aórtica fetal: realizada para dilatar a válvula aórtica do feto, que conduz o sangue do lado esquerdo do coração para todo o corpo, quando um estreitamento impede a passagem normal do sangue.

– Valvoplastia pulmonar fetal: prevê a abertura da válvula pulmonar, que conduz o sangue do ventrículo direito para o pulmão. 

Os procedimentos são realizados a partir da introdução de um balão. Embora, em ambos os casos, a cirurgia não seja curativa, permite o desenvolvimento normal e a reparação no pós-natal.

 

  • Problemas no trato urinário: 

A Cirurgia Fetal endoscópica ou fetoscopia também possibilita a Ablação endoscópica da válvula de uretra posterior, conhecida como VUP. 

O procedimento é indicado quando a válvula de uretra posterior impossibilita o feto de esvaziar a bexiga e que possuam uma quantidade mínima líquido amniótico, ou nenhum. 

Porém, pode apenas ser realizado se não houver lesão renal grave e irreversível. A cirurgia possibilita a redução da dilatação do trato urinário e a preservação da função renal. 

Ao mesmo tempo, ajuda a restabelecer o volume do líquido amniótico, essencial para o desenvolvimento pulmonar em etapas mais avançadas da gestação.

Se você é médico, paciente, estudante, ou simplesmente tem interesse por esta área do conhecimento, aproveite para se cadastrar em nossa Newsletter. Assim, você receberá novos artigos direto no seu e-mail. Até a próxima! 

Aproveite para conferir como a comunidade médica trabalha para desenvolver novas técnicas de Cirurgia Fetal.

Scroll Up